OPEN SCHOOL LinguaCoop no 8º Festival de Telheiras

  • dia 10 (4ª) – Business English – “Numbers and Trends”
  • dia 11 (5ª) – Matematicando – Geometria: desenhando e aprendendo
  • dia 12 (6ª) – Conversation
  • dia 13 (sábado)
    – Brincar e cantar em inglês (das 10 às 12.30 no Lagar de Azeite)
    – Presenting in English (das 15 às 17h)
  • dia 14 (domingo) – Writing in English (das 10,30 às 12,30)
  • dia 17 (4ª) – Business English – “Talking about graphs and charts”
  • dia 18 (5ª ) – Matematicando – Descomplicar a Estatística
  • dia 19 (6ª ) – Conversation

Business English – Para pessoas que necessitam de utilizar o inglês em contexto de trabalho. (As sessões são independentes).
Conversation – Para aqueles que pretendem manter uma conversação em inglês em contexto social. Um texto propõe o tema para discussão.
Matematicando – Dirigido a alunos do 5º e 6º anos de escolaridade, uma forma divertida, lúdica e eficaz de aprender matemática
Presenting in English –Técnicas de oralidade e postura para fazer uma apresentação de mérito. (Para alunos do 10º e 11º ano de escolaridade).
Writing in English –Escrever em inglês tem regras e técnicas que depois de apreendidas se tornam simples e úteis. Para alunos do 9º e 10º ano de escolaridade.
Brincar e cantar em inglês – Para crianças dos 9 aos 11, aprender brincando e cantando.
(Local: Lagar de Azeite)


Todas as actividades são GRATUITAS e têm início às 18:30, ( à excepção das expressamente assinaladas)

Informações e Inscrições
LINGUACOOPEstrada de Telheiras, 144 sala A (ao lado da Padaria Portuguesa) Telf. 21 840 97 77

Baile Escocês no 8º Festival de Telheiras

Às 21h30 na terça, dia 16 de Maio, o Grupo de Dança Escocesa da ART vai fazer um ceilidh (diz-se “quê-li”), ou seja, um baile de danças escocesas com danças fáceis para toda a gente participar.

Ninguém precisa de ter medo porque todas as danças serão ensinadas tim-tim por tim-tim na altura! O evento está integrado no 8º Festival de Telheiras, e o local é um antigo restaurante que fica muito perto do metro do Telheiras, ou seja O Lagar da Quinta de S. Vicente, Estrada de Telheiras, nº 144, 1600-662 Lisboa. Não se atrasem, porque vamos começar mesmo às 21h30 e não vão querer perder dança nenhuma!!

No intervalo do ceilidh, haverá uma pequena exibição de dança escocesa para mostrar o que é possível depois de ter aprendido um bocado mais. No último dia do Festival de Telheiras (domingo, dia 21 às 16h), haverá uma exibição mais longa, e também mais danças de participação! Não percam estes dois eventos!

Evento do ceilidh no Facebook

Programa completa do Festival de Telheiras

Festival de Telheiras 2017

De 10 a 21 de Maio, o nosso bairro vai encher-se de vida e movimento num evento da aproximação entre pessoas e instituições, e de celebração da identidade do bairro.

As ruas e espaços públicos já nossos conhecidos acolhem concertos, workshops, teatro, dança, gastronomia, actividades para pais e filhos e muito mais!

Venha desvendar um bairro plural, onde há sempre algo mais a descobrir.

 

Descubra o programa completo do 8º Festival de Telheiras.

teatroàparte apresenta “A Pergunta”

Numa vila costeira, um desconhecido é encontrado caído no fundo de uma falésia. Está moribundo, e as suas últimas palavras são intrigantes: »Perguntem à Maria…» O que significam estas palavras?

A partir de uma novela de Agatha Christie, a história que nos propomos contar-vos desenvolve-se em torno do mistério desta morte. Porque logo se suspeita de que este homem não caiu, muito menos se suicidou. Alguém o empurrou.

Quem será este homem?

 

O teatroàparte tem o prazer de apresentar:

EncenaçãoMaila Dimas
LuminotécnicoDiogo Barreiras
SonoplastaPaulo Nuno Teixeira
Guarda RoupaAna Maria Costa
Assistente encenaçãoCatarina Ribeiro
DivulgaçãoLuiza Henriques Cohen
Cartaz: Sofia Castelo Lopes
Responsável adereçosMaria Margarida Silveira
Responsável CenografiaJoaquim Conceição
DramaturgiaLeonilde Timóteo, Maila Dimas e Mariana Sousa

Elenco: Carlos Saltão :: José Martins :: Luzia Travado :: Leonilde Timóteo :: Fátima Gonçalves :: Leonor Costa :: Ruth Pinto :: Ana Maria Costa :: Rita Flores :: Luiza Cohen :: Joaquim Conceição :: Catarina Ribeiro :: Renato Borges :: Mariana Sousa :: Maria Margarida Silveira


Sala José Miguel Mendes Lopes, na Biblioteca Municipal Orlando Ribeiro (Estrada de Telheiras, 146 – Telheiras, Lisboa – Metro Telheiras – Autocarros 747, 767, 778)

Apresentações: 12 a 27 de maio de 2017 (sextas e sábados às 21h30, sábado 20 de maio às 17h).

Bilhetes: 6€

Informações: 919 520 807 // info@teatroaparte.pt // www.teatroaparte.pt // Facebook

 

Reserve já o seu bilhete aqui

Um presente para a Mãe – atelier de costura e artes criativas para crianças

O dia da Mãe está a chegar e a Triutopia vai ajudar-te com o presentinho para a tua querida mãe.

O atelier de de arte e costura criativa vai proporcionar-te uma tarde fantástica, onde estarás rodeado de tecidos, moldes, recortes, cores e muito boa disposição

6 de Maio, 15:00, ART Telheiras

Idades: crianças dos 5 aos 14 anos
Inscrição: 5€

Palestra na ART Dia 10 de março

Tem início o ciclo de conferências sobre Educação

“Despertar as  crianças para a  Leitura e para a Escrita”, é o tema da primeira conferência.

Esta é uma iniciativa do Clube de Educação  da ART que se propõe intervir junto de pais, encarregados de educação e cuidadores, trazendo à ART especialistas para  debater os caminhos e as dúvidas que se colocam neste domínio tão sensível

A primeira palestre dedica-se a pais, educadores e cuidadores de crianças entre os seis meses e os seis anos. Se tem filhos, netos ou bisnetos nessas idades venha assistir a esta conferência. Despertar nas crianças o gosto pela leitura e pela escrita  é a melhor prenda que lhe podemos dar.

cartaz de divulgação do evento

Agenda do mês de Março

Consulte o Boletim da ART com as atividades do mês de março. 

Participe na vida da Associação

news março 2016

Inquérito sobre a Intervenção na Segunda Circular

segunda circular

O inquérito realizado junto dos associados da ART sobre a planeada Intervenção da CML na Segunda Circular mostra que as opiniões se dividem e que existe um deficit de informação sobre o assunto.

Veja aqui os principais resultados e conclusões do inquérito realizado pela ART para conhecer a opinião dos seus associados sobre a intervenção que a CML projeta fazer na Segunda Circular.

Alterações Climáticas

alteracoes_climA Conferência das Nações Unidas sobre as alterações climáticas,  reuniu recentemente em Paris representantes de quase todos os países do planeta. A Conferência ocorreu pela vigésima primeira vez desde a Cimeira da Terra, realizada no Rio de Janeiro em 1992. Na sessão inaugural, estiveram em Paris os líderes dos principais países do planeta, o que mostra a importância atribuída a esta questão. Na verdade, o problema das alterações climáticas já não pode ser ignorado, nem relegado para segundo plano, tal o impacto que pode vir a ter sobre o nosso próximo futuro coletivo. Mas, estamos muito longe de encontrar soluções e reunir consensos.

No essencial, estamos perante um dilema. Se continuamos a lançar para a atmosfera gases com efeito de estufa a sua temperatura média vai aumentar, e as consequências, possivelmente irreversíveis, daí decorrentes – extinção de espécies, subida do nível dos oceanos, ocorrência de fenómenos climáticos extremos, escassez de água potável, prejuízos na agricultura, deslocações de populações – terão fortes impactos na economia. Mas, se deixarmos de fazer essas emissões vamos pôr em causa o crescimento, e com isso agravar o desemprego, criando condições para o ressurgimento de uma nova e severa crise económica que todos querem evitar.

As alterações climáticas provocadas pela atividade humana são, já hoje, um fenómeno de indiscutível evidência. Elas surgem como consequência direta ou indireta do uso dos combustíveis fósseis, que se iniciou com a Revolução Industrial no início do século XIX e se acelerou durante o século XX, sobretudo, após o final da Segunda Guerra Mundial. Energia, economia e alterações climáticas estão correlacionadas. Existe a convicção amplamente difundida de que a mitigação do aquecimento global estará na adoção generalizada de formas não poluentes de produção de energia. Isso tem vindo a ser feito com recurso à energia nuclear, à energia hídrica, à energia eólica e à energia solar. Estas duas últimas formas têm vindo a ganhar importância na geração de energia elétrica, e são promissoras. Mas, elas ainda não fizeram infletir, a nível mundial, a tendência sempre crescente do aumento do consumo da energia fóssil. É certo que nos países da OCDE já se verifica a estagnação ou até a uma diminuição desse consumo. Porém, isso está a ser conseguido por virtude de uma desaceleração do crescimento económico, e pela deslocalização de muitas indústrias poluentes para fora daquele espaço geográfico.

Sinceramente, não vejo saída para o dilema. A consciência da gravidade do problema já é importante, mas, só por si, isso não chega. Não será a consciência das alterações climáticas que reduzirá o consumo de combustíveis fósseis; mas, sim, a sua escassez. Grandes zonas do planeta – nomeadamente a Índia, a China e o Paquistão – estão longe de atingir os consumos energéticos per capita dos países ocidentais. O petróleo, pela sua importância na mobilidade será o mais sensível. Quando a China atingir a capitação no consumo de petróleo da Coreia do Sul ou do Japão, será necessário extrair, a nível mundial, mais 30% de crude para responder ao excesso de procura.

Em 1997, os objetivos de Kyoto em reduzir as emissões de CO2 falharam. Em 2009, a conferência de Copenhaga ficou longe dos seus propósitos. Em 2015, os delegados à Conferência de Paris pretendem limitar a 2º Celsius o aumento médio da temperatura global até 2100. O sucesso desta Conferência só será avaliado daqui a algumas dezenas de anos. Possivelmente, tarde demais.

Luís Queirós

Direção da ART

Lisboa – Fátima 90Km pelos trilhos da peregrinação

O grupo de Cicloturismo da ART vai promover um passeio Lisboa Fátima no próximo dia 10 e 11 de Outubro.  Chamamos a atenção para a data limite das inscrições, que é a 5 de Outubro.

Programa

ART Lisboa fatima